sexta-feira, 24 de junho de 2011

Fanfinction- "A nova Era" Capítulo 13- O sofrimento de Sango

O dia estava calorento e nós resolvemos fazer uma pausa à beira do rio. O Inuyasha e o Miroku foram procurar comida. Eu e a Sango ficamos com o Shippo. A Sango parecia triste, estava com um ar muito abatido e triste, podia começar a chorar a qualquer momento. Eu resolvi não perguntar nada. Mergulhei as mãos na água fresca do rio. O Inuyasha veio por detrás de mim e pregou-me um susto de morte. Eu desequilibrei-me e agarrei-me ao cabelo do Inuyasha mas infelizmente ele também perdeu o equilíbrio e caímos os dois no rio.
-Inuyasha és mesmo infantil. Estou encharcada.
(Inuyasha)- e por tua culpa eu fiquei também. A ideia era só seres tu a cair.
- Pois nem todos temos o que queremos. Bolas Inuyasha! Esta era a ultima roupa que tinha na mala. E agora está encharcada. És esperto tu!
Eu neste momento estava a falar sozinha ele já não estava ali ao pé de mim mas sim a vasculhar a minha mala toda à procura de alguma coisa.
-Inuyasha! Pára de desarrumar isso tudo. Deu-me pouco trabalho!
Eu corri para ao pé dele.
(Inuyasha)-Vira-te.- Eu virei-me de costas para ele e pus-me à sua frente. Reparei que ele estava sem as suas camisolas. Apenas com as calças. Ele passou o meu cabelo com uma toalha que eu trouxera de casa. Senti o meu rosto a ficar quente. “Isto é um tanto embaraçoso.” – vês não sou tão inútil assim. Até te fiz um favor.
(Miroku)- parece-me que entre vocês não é só uma questão de obrigação em encontrar os fragmentos. Não é Sango?
Ela apenas acenou com a cabeça.
-Inuyasha não achas a Sango muito calada ultimamente? Desde que saímos daquela floresta ela tem estado assim. Estou preocupada.
(Inuyasha)- realmente ela não anda lá muito bem.
Eu sentei-me ao seu lado.
-Sango está tudo bem?
(Sango)- Sim.
-Não me pareces bem. Estás assim desde que saímos da floresta. O que se passou lá?
(Sango)- Sabes, vi os erros que cometi ao longo da vida. Os meus pesadelos tornados realidade, esse é o maior pesadelo que uma pessoa pode ter. Fiz varias coisas erradas na vida. Os meus pais morreram, e eu sinto-me culpada. Vi-me obrigada a matar o meu irmão para recuperar a minha lucidez, e para quê? Para sofrer? Para viver sozinha?
-Tu mataste o teu irmão?
(Sango)- ele estava a ser controlado por um youkai. Ele já estava morto ao principio, eu não conseguia ver um youkai a usar o corpo do meu irmão à minha frente. Tive de fazer alguma coisa. E para matar o youkai tinha de “matar” o meu irmão, e foi o que fiz, mas sinto-me arrependida. Mesmo sendo um youkai a controla-lo ele falava, sentia, chorava, ria. Mas no fundo o seu coração não batia. Nem o sangue corria nas veias. Eu ainda vivo para matar aquele youkai. E já o fiz, mas mesmo assim sinto que falta alguma coisa. Falta o amor dele e dos meus pais.
As lágrimas dela continham-se para não escorrer, ela detinha-se a chorar. “Tenho pena dela, ela viveu para se vingar e quando o fez não sentiu nada, ela quer os seus pais de volta. E eu ainda me queixo com a minha vida.”
-Sango. Desculpa ter-te perguntado. Deves sentir-te mal. Desculpa.
(Sango)- Não faz mal Tsuki.
O Miroku aproximou-se de nós e puxou a Sango para os seus braços abraçando-a fortemente.
(Miroku)- podes chorar o que quiseres, não te sintas culpada. Fizeste o que tinhas de fazer e nada o pode mudar.
A Sango naquele momento deixou-se levar pelas palavras do Miroku e começou a chorar em plenos pulmões. Os seus soluços faziam-me vontade de chorar também. “Ela sofria e sem ninguém dar por isso. Sabe-se lá os pesadelos que ela tem durante a noite, os pensamentos que tem quando está sozinha, e ela reviveu tudo outra vez naquela floresta.”
Olhei de relance para o Inuyasha. Ele também estava abatido. Ele também se sentia incomodado pelo que a Sango passava. Todos nós estávamos. O Shippo já quase se afogava nas suas próprias lágrimas.
(Inuyasha)- Shippo és mesmo bebezinho. Nem isto aguentas começas logo a chorar.
(Shippo)- Eu tenho sentimentos Inuyasha. Eu sei o que a Sango está a passar, tu é que és um insensível.
Passaram várias horas. A noite começava a cair. “Mais um dia se passou.” Olhei para  calendário que trazia na mala.
-AH!! Não acredito!
(Inuyasha)- O que foi Tsuki?
-O Baile de Outono é já daqui a dois dias, e eu nem par tenho. O que vou fazer?!
(Inuyasha)- Baile de Outono? O que é isso?
- É um Baile que vai haver na minha escola. E eu não tenho par.
De repente lembrei-me da coisa mais absurda que podia acontecer mas tinha de ser. Era a única maneira.
-Inuyasha não me queres fazer companhia? Não queres ser o meu…como posso dizer…o meu…par?
(Inuyasha)- O quê? Eu?
- Por favor, não tenho mais ninguém. Por favor.
(Inuyasha)- Não vão estranhar por eu ser assim? Um Hanyou? Com orelhas de cão?
Eu verifiquei o dia e por baixo estava o símbolo de lua nova naquela noite
-Vai ser noite de lua nova. Vais tornar-te humano. Então vens?
(Inuyasha)- Lá vai ter de ser.
-Obrigado Inuyasha!
“Espero que corra tudo bem. Tenho de lhe arranjar roupa. Ahhh a Kotomi e a Yuuki vão fazer-me tantas perguntas sobre ele. Que raiva.”


Capitulo 13- "Eu virei-me de costas para ele e pus-me à sua frente. Reparei que ele estava sem as suas camisolas. Apenas com as calças. Ele passou o meu cabelo com uma toalha que eu trouxera de casa. Senti o meu rosto a ficar quente."

1 comentário:

  1. Estava demais adorei!Estou ansiosa pelo próximo capíulo!^.^

    ResponderEliminar

Número total de visualizações de página